Guia Log

anuncie aqui viu.gif (17726 bytes)

PDM

                                                    
                             
                 Notícias Importantes

A Feira Intermodal South America 2024 acontece no início de março em São Paulo (Vitrine 26/02)
Na próxima semana acontece a anual Feira Intermodal South America 2024. Será de 05 à 07/03 das 13:00 às 21:00 hs, no São Paulo Expo Exhibition and Convention Center, s/n, Rodovia dos Imigrantes, em São Paulo – SP.
                                                                                        Sobre a Intermodal
A Intermodal South America é uma plataforma essencial para os setores de logística, intralogística, tecnologia, transporte de cargas e comércio exterior. Ela não apenas facilita a geração de negócios e relacionamentos, mas também fornece conteúdo de alta qualidade e relevância. Atualmente, conta com uma base de dados com mais de 130 mil profissionais do setor e utiliza diversos canais, como plataforma digital, site, redes sociais e uma plataforma de conteúdo exclusiva. Isso permite promover marcas, lançar produtos, gerar leads e realizar ações personalizadas para maximizar o retorno dos investimentos com foco e precisão.
Com um crescimento sólido e contínuo ano após ano, a 28ª Intermodal South America será a maior edição de todos os tempos, reunindo mais de 500 marcas expositoras, mais de 43 mil participantes e mais de 60 horas de conteúdo em 40 mil metros quadrados de exposição durante 3 dias de evento.





Em 10 dias, Trem Intercidades abre série de leilões do Governo de SP em 2024 (Vitrine 19/02)
Daqui a dez dias, o Governo de São Paulo inicia uma série de leilões para estabelecer uma nova marca histórica na gestão estadual. No próximo dia 29, o Trem Intercidades Eixo Norte, que ligará São Paulo a Campinas, será o primeiro projeto a ser leiloado pelo Estado em 2024, em uma previsão de 13 certames para concessões, desestatizações e parcerias ao longo deste ano.
O Trem Intercidades será implementado por meio de Parceria Público-Privada (PPP), com investimento previsto de R$ 13,5 bilhões. O empreendimento irá beneficiar cerca de 15 milhões de pessoas em 11 municípios, gerando mais de 10,5 mil empregos, entre diretos, indiretos e induzidos.
O projeto incluirá um serviço expresso, com três estações, entre a capital e o município campineiro. Ele também contempla a implantação do Trem Intermetropolitano, entre Campinas e Jundiaí, e a concessão da Linha 7-Rubi da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).
O novo sistema vai melhorar e ampliar a mobilidade entre as regiões metropolitanas de São Paulo, Jundiaí e Campinas e terá 101 km de trajeto, com serviço expresso entre a estação Barra Funda, na capital, e Campinas, e uma parada em Jundiaí. Já o sistema intermetropolitano terá estações em Jundiaí, Louveira, Vinhedo, Valinhos e Campinas. O trem será o mais rápido do Brasil, alcançando até 140 km/h.
                                                                                             Próximos leilões
Além do Trem Intercidades, o Governo de São Paulo tem outros 12 projetos para leilão em 2024. No segmento de mobilidade urbana, por exemplo, está prevista a concessão das Linhas 11, 12 e 13 da CPTM.
Na área de rodovias, o lote do Litoral Paulista vai a leilão no dia 16 de abril. O Estado também fará a licitação do túnel imerso Santos-Guarujá, que terá a parceria do governo federal, e dos lotes rodoviários Nova Raposo, Rota Sorocabana e Lote Paranapanema.
A lista inclui ainda as desestatizações da Sabesp, que já está em fase de consulta pública, e da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae). No eixo social, o Governo de São Paulo vai propor uma PPP para construção, manutenção dos prédios e operação de serviços não pedagógicos de 33 novas escolas.
A concessão de serviços lotéricos estaduais é outro projeto previsto para 2024, como nova fonte de recursos para financiamento de políticas públicas. O Estado também vai leiloar a concessão da construção de moradias na região central da capital – o projeto prevê mais de 5,5 mil moradias nos três primeiros anos.





Hidrovia Tietê-Paraná tem alta de 120,7% na movimentação de cargas (Vitrine 06/02)

Um dos mais importantes eixos de logística no país, com seus 2,4 mil quilômetros navegáveis, a Hidrovia Tietê-Paraná registrou, em 2023, um expressivo aumento na movimentação total de cargas.
Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil), a alta foi de 120,7%, comparada ao mesmo período de 2022, com transporte de 2,4 milhões de toneladas em 2023 contra 1,1 milhão de toneladas no ano anterior.
O índice expressivo é explicado principalmente a partir da crescente movimentação da soja, aliada à uma gestão mais eficiente da hidrovia, que é administrada pelo Departamento Hidroviário (vinculado à Semil). De janeiro a junho de 2023 a hidrovia já havia batido o recorde de aumento de 76% na movimentação fluvial de cargas.
Em sua extensão, a Hidrovia Tietê-Paraná atende, sobretudo, ao transporte da produção agrícola e possui 30 terminais intermodais para carga e descarga de produtos, responsável por conectar os estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Minas Gerais, Goiás e São Paulo.
No trecho paulista são 800 quilômetros, indo desde Mogi das Cruzes até o município de Pereira Barreto. Neste trecho a hidrovia possui 14 terminais intermodais que funcionam associados a 9 barragens, 10 eclusas e 23 pontes em sua estrutura.
Dentre as commodities mais transportadas, a soja representou 41% das cargas, equivalente a 990 mil toneladas do grão. Em segundo aparece o milho, com 682 mil toneladas e, em terceiro lugar, a cana-de-açúcar e derivados, com 584,4 mil toneladas. O transporte de passageiros registrou mais de 85 mil pessoas.
“Trata-se de um eixo importante para esse modal e estratégico para a economia de São Paulo. O governo tem atuado para ampliar ainda mais o papel da hidrovia no escoamento da produção do Estado”, afirma a secretária Natália Resende em alusão à obra de aprofundamento do canal de Nova Avanhandava, um projeto antigo que foi retomado em março. A primeira explosão para a obra ocorreu em fins de agosto.
                                                                                      Canal de Nova Avanhandava
As obras vêm sendo executadas por meio de uma complexa operação com remoção de 19 a 21 mil metros cúbicos de rochas por mês. Para que não haja implicações com a fauna aquática local está sendo aplicada uma técnica que mantém peixes afastados. Ao todo serão removidos 552 mil metros cúbicos de rochas ao todo – volume equivalente ao de 600 piscinas olímpicas -, com detonações subaquáticas de rochas para aumento do calado no canal, em Buritama, o que permitirá a navegabilidade na hidrovia mesmo em períodos de estiagem.
Desta forma, 2,57% das obras já foram executados, e a previsão é que até abril de 2026 todo o trecho de Nova Avanhandava esteja completamente ampliado, com um um investimento de R$ 293,7 milhões que garante o aumento da profundidade do canal de navegação no reservatório de Três Irmãos, ao longo de 16 km.
A ampliação também permitirá maior flexibilidade na operação das Usinas Hidrelétricas de Três Irmãos e Ilha Solteira, resultando em um fluxo mais contínuo de cargas movimentadas sem conflitos entre navegação e geração de energia com garantia de produtividade.
Para Jamille Consulin, diretora do Departamento Hidroviário (DH), a obra é resultado de investimentos em infraestrutura que repercutem na economia do Estado, e sem a decorrência de aumento de poluentes, já que o modal é de baixo impacto ambiental quando comparado à movimentação de cargas nos eixos rodoviários, quando seriam necessárias 43 carretas, de 35 toneladas cada, para levar o mesmo volume que cada embarcação do tipo ‘chata’ é capaz de uma única vez.





Na Espanha, governador mostra parcerias privadas de SP a operadores de infraestrutura (Vitrine 05/02)
A capital espanhola foi a primeira parada do roadshow do Governo de São Paulo com o objetivo de buscar investimentos estrangeiros para grandes projetos paulistas em infraestrutura, logística, mobilidade e saneamento. Nesta segunda-feira (4), em Madri, o governador Tarcísio de Freitas iniciou a primeira missão internacional de 2024 em reuniões com executivos de grupos globais sediados na Espanha.
“Para alavancar o desenvolvimento em São Paulo, a gestão estadual está ampliando o diálogo com o setor privado em todo o mundo. Quando trabalhamos lado a lado com megainvestidores internacionais, os grandes projetos saem do papel mais rápido. Nossa primeira parada na Europa foi muito produtiva e tenho certeza que as empresas da Espanha vão ampliar negócios e aportes em São Paulo, gerando mais empregos, riquezas e oportunidades para a população”, afirmou.
Na missão à Europa, a comitiva do governador é composta pelos secretários estaduais Rafael Benini (Parcerias em Investimentos), Jorge Lima (Desenvolvimento Econômico) e Lais Vita (Comunicação) e por Rui Gomes, presidente da InvestSP – agência de promoção de investimentos vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico.
O primeiro compromisso na Espanha reuniu o governador e José Manuel Entrecanales Domecq, presidente e CEO da Acciona. Há mais de 25 anos no Brasil, a Acciona é a responsável pela construção da Linha 6-Laranja de metrô de São Paulo, atualmente a maior obra de infraestrutura em andamento na América Latina, com geração de mais de 9 mil empregos e investimento de R$ 18 bilhões.
Na reunião, o governador destacou o potencial do estado e as oportunidades para empresas de grande porte no portfólio de investimentos do Programa de Parcerias. “São Paulo é hoje o local para se investir no Brasil. Se fosse um país, seríamos a terceira maior economia da América Latina e a 21ª do mundo. A estrutura existente de mão de obra e infraestrutura proporcionam um ambiente de negócios promissor para aos investidores”, destacou Tarcísio de Freitas.
Na sequência, o governador teve um almoço de negócios com Ignacio Domínguez-Adame, vice-presidente do grupo Santander na Espanha. A instituição é uma das líderes do mercado nacional de serviços bancários e investimentos e também opera em toda a América Latina, Europa, Estados Unidos e países da Ásia.
No encerramento da agenda de trabalho em Madri, Tarcísio se reuniu com executivos da Sacyr, empresa que atua no mercado global de concessões, engenharia e infraestrutura. O grupo espanhol está à frente das obras de expansão da Linha 2-Verde do Metrô e, somente ano passado, investiu o equivalente a mais de R$ 8,5 bilhões em ativos globais de concessões. Nos compromissos, o governador destacou a importância de ouvir a iniciativa privada e construir projetos a muitas mãos para que sejam atrativos e tenham mais competição.
O Governo de SP terá ao menos 13 projetos em leilões ao longo de 2024. Entre eles, estão o Trem Intercidades Eixo Norte, que vai ligar a cidade de São Paulo a Campinas, e concessões e parcerias de infraestrutura rodoviária e ferroviária, além das desestatizações da Sabesp e da Empresa Metropolitana de Águas e Energia (Emae). A carteira de projetos de concessões, desestatizações e parcerias da atual gestão estadual é estimada em mais de R$ 220 bilhões em capital privado, com 20 projetos qualificados e a previsão da realização de 44 leilões ao longo da gestão.
                                                                                 Missão na Europa segue para a Itália
Com o fim das agendas na Espanha, o roadshow do Governo de São Paulo prossegue nesta terça (6) em Milão, na Itália, e depois segue para Paris, com previsão de três dias seguidos de apresentação do portfólio paulista de projetos estruturantes a megainvestidores e banqueiros europeus.
As agendas de amanhã (6) começam com uma reunião em Milão com a diretoria executiva do grupo Gavio, às 10h30, em horário local. Na sequência, às 14h30, a comitiva liderada pelo governador Tarcísio de Freitas se encontra com a presidência do grupo Guella.





Governo de SP anuncia túnel imerso Santos-Guarujá em parceria com Governo Federal (Vitrine 02/02)
O Governo de São Paulo e o Governo Federal anunciaram nesta sexta-feira (2) o lançamento do projeto do túnel imerso Santos-Guarujá, que será executado por meio de parceria público-privada (PPP) e investimento de R$ 5,9 bilhões. O anúncio foi feito pelo governador Tarcísio de Freitas e pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante a comemoração dos 132 anos do Porto de Santos.
“Estamos celebrando uma parceria para entregar à Baixada Santista algo que é desejado, pelos primeiros registros, há cem anos: o túnel Santos-Guarujá. Nós vamos tornar este sonho uma realidade e fazer esse túnel sair do papel. A gente está falando de cerca de R$ 6 bilhões em investimentos. Imaginem o que isto vai representar em ganho de tempo de viagem, produtividade, a quantidade de empregos gerados para trabalhadores que vão levar o sustento para casa. Está na hora, realmente, de celebrar o que é histórico. O que importa é enxergar o verdadeiro interesse público e que temos que fazer a diferença pelo cidadão”, disse Tarcísio.
Qualificado no Programa de Parcerias de Investimentos do Estado de São Paulo (PPI-SP) e integrado ao Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o projeto prevê aporte público de R$ 5,1 bilhões em investimento dividido igualmente entre o Governo de São Paulo e a União, além da participação da iniciativa privada.
O Governo de São Paulo também já iniciou o processo para emissão de nova licença prévia antes da realização do leilão, que está previsto para o segundo semestre deste ano. A consulta pública deve ser lançada em março.
                                                                                                    Como será
O projeto foi desenvolvido pelo Governo de São Paulo e prevê a ligação seca entre Santos e Guarujá, com extensão total de 1,5 km, por meio de um túnel imerso de 870 metros, por baixo do canal portuário. O trecho vai ligar as regiões de Outeirinhos e Macuco, em Santos, ao bairro Vicente de Carvalho, em Guarujá.
O empreendimento prevê uma ciclovia, passagem para pedestres e três faixas de rolamento por sentido, sendo uma adaptável ao VLT (Veículo Leve sobre Trilhos).
O túnel será composto por seis módulos de concreto pré-modulado. Eles serão construídos em uma doca seca e transportados por flutuação até o local onde o leito do canal será preparado. Assim, os módulos serão imersos, encaixados e fixados para concluir a estrutura.
O projeto terá grande impacto positivo no sistema viário dos municípios, principalmente na alta temporada. O túnel vai reduzir o tempo de deslocamento entre as duas cidades em cerca de 50 minutos, desafogar a Rodovia Cônego Domênico Rangoni (SP-055) e liberar o canal do porto para uso prioritário de navios de carga e de passageiros.
Diariamente, o túnel vai beneficiar cerca de 28 mil usuários do sistema de catraias e balsas – a estimativa é de redução de 70% da demanda da balsa da Ponta da Praia. Também vai garantir acesso mais rápido de caminhões aos dois terminais portuários, reduzindo em 53% a emissão veicular de dióxido de carbono.







Porto de São Sebastião bate novo recorde de movimentação de cargas (PGSP 22/01)
A Companhia Docas de São Sebastião, empresa estatal vinculada à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística de São Paulo (Semil), fechou o ano de 2023 com novo recorde de movimentação de cargas, mais de 1 milhão de toneladas. Com crescimento de 12% comparado a 2022, a receita foi ampliada em 51%, equivalente a R$43,5 milhões.
Entre as principais cargas transportadas estão barrilha a granel, matéria-prima essencial na produção de vidros, embalagens, entre outros, com 343 mil toneladas, na sequência, açúcar em sacas, com 194 mil toneladas, o malte,  para a indústria cervejeira, com 106 mil toneladas, e o silicato, utilizado na fabricação de sabão, adesivos e argamassas, com 50 mil toneladas.
“O porto possui um papel fundamental no desenvolvimento da região. Esse novo recorde é muito significativo e indica que estamos caminhando para alcançar novos padrões de eficiência”, avalia a secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística, Natália Resende.
O recorde anterior, estabelecido em 2022, era de 918 mil toneladas e receita de R$30,2 milhões. Os resultados alcançados em 2023 refletem o posicionamento de gestão do porto, que aplicou vários descontos nas tarifas portuárias e ampliou a capacidade de armazenagem de mercadorias.
“Estamos satisfeitos com os resultados, que refletem a confiança da comunidade portuária na capacidade do Porto. Vamos continuar trabalhando para proporcionar melhores condições para os operadores portuários e otimizar cada vez mais o nosso desempenho.”, complementa o Diretor-Presidente da Companhia do Porto de São Sebastião, Ernesto Sampaio.
                                                                 Sobre o Porto
O Porto de São Sebastião é administrado pela Companhia Docas de São Sebastião, empresa vinculada à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística (Semil). É uma delegação da União ao Governo do Estado de São Paulo, sendo, portanto, um porto público.





Governo de SP recupera, amplia e constrói cerca de 6,4 mil km de estradas em 2023 (PGSP 02/01)
O Governo de São Paulo realizou mais de 850 obras de ampliação, melhoria e recuperação de rodovias, vicinais e estradas rurais em 2023. Ao todo, são 6,4 mil quilômetros de vias impactadas, o que equivale aproximadamente à distância entre a capital paulista e a cidade de Quito, no Equador.
O investimento total nas intervenções foi de R$ 6,2 bilhões. Somente o Departamento de Estradas de Rodagem (DER), órgão vinculado à Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística, executou 290 obras ao longo do ano em rodovias e vicinais, gerando 12 mil empregos diretos e outros 35,8 mil indiretos.
“Estamos investindo não apenas na melhoria da infraestrutura, mas em pontos das rodovias com demandas mais urgentes para a população. Uma via reestruturada diminui acidentes, garante melhores condições de segurança, além de estimular o escoamento da produção agrícola, entre outros benefícios”, afirma a secretária de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística, Natália Resende.
As vias passaram por serviços de recuperação da pista, pavimentação, implantação de sinalização, perenização, melhorias nos traçados e implantação de sinalização horizontal.
“O compromisso do DER é melhorar a qualidade da mobilidade de pessoas e a segurança. Estas intervenções reforçam o papel de uma gestão pública estruturante, focada em avanços na malha logística e nas condições de circulação de bens e pessoas”, completa a secretária.
Além disso, rodovias estaduais também receberam serviços de recuperação emergenciais da pista, adequação de sistema de drenagem, proteção e reforço de talude e reabilitação de sinalização horizontal.
A região norte do estado foi uma das que se beneficiaram com as obras. Os motoristas já podem visualizar os frutos do aporte de R$ 51 milhões nas vicinais na região de Barretos, que beneficia diretamente mais de 128 mil pessoas e promove o transporte de cultivos da agricultura familiar, produções de cana-de-açúcar e laranja, além de simplificar o acesso ao Hospital do Câncer.
Além das obras em rodovias estaduais e em vicinais, quase 850 km de rodovias e acessos concedidos e que têm supervisão da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) receberam intervenções.
Uma das vias que receberam melhoria foi a rodovia Anhanguera (SP-330), que ganhou uma faixa adicional na pista sul entre os quilômetros 21 e 23, em São Paulo. Somente nesta obra, realizada pela concessionária responsável e supervisionada pela Artesp, foram mais de R$19 milhões investidos.
“Esta faixa é muito necessária para desafogar o trânsito e contribuir com a fluidez do tráfego na região. Ela também oferece melhores serviços aos usuários, proporcionando segurança e conforto a todos que circulam pelo local”, explica Milton Persoli, diretor geral da Artesp.
Já a Secretaria de Agricultura e Abastecimento realizou neste ano 492 obras em mais de 1,8 mil quilômetros de estradas rurais, beneficiando as regiões de Araçatuba, Bauru, Baixada Santista, Campinas, Central, Franca, Marília, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, Sorocaba, São José dos Campos e São José do Rio Preto.

 

 

Em 01/03 acontece o primeiro curso aberto de PDM/PDS do IMAM no ano (Vitrine 18/12)
No dia 01º de março o IMAM realizará o seu primeiro curso aberto de PDM/PDS - Padrão de Descrição de Materiais/Serviços do ano de 2024.
 "O curso é a chance para profissionais que desejam conhecer o assunto por todos os aspectos, que envolvem o PDM/PDS", comentou Marcos Valle Verlangieri, instrutor do curso e consultor especialista do IMAM.
"É um curso importante não só para para os profissionais de cadastro de materiais, como também de Compras, Gestão de Estoques/Administração de Materiais,  Controladoria/Fiscal, Engenharia, Almoxarifado e para quem quer aprender sobre uma área mais recente de Materiais, onde o mercado busca profissionais", completou Verlangieri.
Mais detalhes sobre este curso aberto de PDM/PDS, valores e inscrição poderão ser solicitados diretamente ao IMAM, pelo tel. (11) 5575 1400 ou pelo email imam@imam.com.br .




Total Express lança companhia aérea dedicada ao setor logístico (Mundo Logística 18/12)
A Total Express anunciou a criação de uma companhia aérea cargueira para otimizar os processos de entrega, atendendo 100% do país. Segundo a empresa, é a primeira do segmento logístico nacional a lançar sua própria companhia aérea.
A companhia atende a alta demanda do mercado de e-commerce, com o envio de encomendas por meio de fretamento de aeronaves dedicadas desde 2021. Segundo a empresa, o aumento de demandas para a região norte motivou o investimento como estratégia para oferecer transporte rápido para as regiões extremas do país.
                                                                                      COMPANHIA AÉREA
Após concluir a certificação junto a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), a Total Express recebeu a outorga de Certificado de Operador Aéreo (COA) e iniciou sua operação com o voo inaugural da companhia, que aconteceu no dia 5 de dezembro, partindo do Aeroporto Internacional de Guarulhos (GRU), em São Paulo, com destino ao Aeroporto Internacional de Manaus (MAO), no Amazonas.
A primeira aeronave em operação, um Boeing 737-300F, possui capacidade de transporte de cargas de forma dedicada, ofertando um payload de até 18,6 toneladas em 132 metros cúbicos de capacidade volumétrica.
A nova companhia aérea da Total Express tem como razão social Anivia Serviços Aéreos Ltda.
                                                                                   ROTA SÃO PAULO-MANAUS
O primeiro trajeto disponibilizado pela Total Express (São Paulo-Manaus) atenderá as entregas da região Norte do país. Estão previstas de quatro a cinco operações semanais para o transporte dos mais diversos produtos, sejam de pequenas e médias empresas, de e-commerce até as gigantes do varejo.
Outro ponto de destaque para a rota é a presença da Zona Franca de Manaus, área de livre comércio de importação e exportação e de incentivos fiscais especiais que, além de incentivar o desenvolvimento socioeconômico na região, possui relevância para o fortalecimento do setor em âmbito nacional, que passa a contar com uma opção de atendimento regular e confiável para o mercado amazonense.
“A companhia aérea da Total Express representa um passo importante para cumprir o seu propósito de encurtar distâncias e otimizar o serviço de entregas em todo o Brasil”, afirmou Felipe Lima, CEO da Total Express. “Fortalecemos nosso pioneirismo no setor de logística e reforçamos o alcance das operações da empresa, ampliando sua capacidade de atender regiões distintas do país, oferecendo a melhor solução logística para os diversos tipos de negócios, de microempreendedores às gigantes do varejo.”






Apresentado oficialmente no Brasil o veículo aéreo chinês que voa sem piloto a bordo (Gazeta de Toledo 17/12)
Na última terça-feira, 12 de dezembro, a empresa brasileira Gohobby de distribuição de drones no Brasil e América Latina realizou a apresentação oficial do primeiro aéreo eVTOL (elétrico de pouso e decolagem na vertical), popularmente conhecido como “carro voador”, da fabricante chinesa EHang.
O modelo 216-S esteve exposto na Arena XP, em São Paulo, em um evento dedicado a investidores, organizações dos setores de logística, transporte, saúde, agribusiness, pilotos e empresas que desejam adquirir o equipamento para este setor que vai transformar a mobilidade urbana no Brasil e no mundo.
Na ocasião, também esteve presente o primeiro astronauta brasileiro, Senador Marcos Pontes (PL-SP), que definiu a chegada do eVTOL EHang 216-S como um marco histórico.
“Para resolver problemas, você precisa de coisas práticas, você precisa de tecnologia, você precisa de conhecimento. Não adianta só falar, a gente precisa ter as soluções muito menos narrativas, precisamos ter fatos, e nós temos aqui na nossa frente algo real, que eu espero que seja rapidamente certificado aqui no Brasil pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) e que muito em breve esteja voando aqui nos céus de São Paulo e das outras cidades do país”, disse o astronauta para os presentes.
O Senador também pontuou que é possível solucionar os problemas do Brasil com a tecnologia e que, para isso, é preciso do apoio das pessoas, promovendo uma mudança cultural, necessária em meio a tecnologias disruptivas.
“Parabéns à Gohobby, parabéns a EHang, parabéns a todos os engenheiros que participaram para desenvolver essa aeronave. Hoje vejo como um dia histórico no nosso país, e que muito em breve a gente tenha essas aeronaves voando por aí e em nossas casas também”, completou Pontes.
Adriano Buzaid, CEO da Gohobby, ressaltou que o eVTOL revolucionará o mercado de transporte aéreo de passageiros e carga no Brasil, e a Gohobby está entusiasmada em fazer parte deste marco histórico.
“Desde o primeiro voo que fiz no final de 2010 com um drone, sabia que era questão de tempo até ter a oportunidade de voar com segurança dentro de um deles. O design de um eVTOL é muito semelhante ao dos drones, mas com uma redundância ainda maior nos sistemas críticos de voo e com sistemas e recursos integrados de segurança, herdados da aviação convencional, para garantir a segurança operacional”, explicou o CEO.
                                                                                       eVTOL 216-S
Segundo a Gohobby, o equipamento da EHang transporta até duas pessoas e bagagem de mão, com uma carga útil total de 220 kg em um alcance de 30 km. Opera com 12 baterias independentes e 16 motores.
O piloto não voa dentro da aeronave, já que o eVTOL é pilotado remotamente e automaticamente, por meio do sistema inteligente de comando e controle da EHang, que permite ao piloto planejar, comandar, validar, executar, monitorar e assumir o controle do voo, em tempo real, a partir do solo.
O EHang 216-S tem uma velocidade máxima de 130 km/h, e a empresa destaca que, graças ao design inteligente e à propulsão elétrica do EH216-S, seus custos operacionais são extremamente baixos, permitindo oferecer viagens aéreas de curta distância a preços competitivos em relação aos meios de transporte existentes.






Aumento do PIB e e-commerce em um mercado amplo e competitivo antecipam a 9ª Brasil Log (Vitrine 16/11)

A logística desempenha um papel vital na economia do Brasil, sendo responsável pelo gerenciamento e fluxo de bens e serviços. Com o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil em 2022, divulgado nesse semestre pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de R$ 9,9 trilhões; e um PIB de R$ 2,7 no primeiro trimestre de 2023, as expectativas para a logística são positivas porque produção e consumo necessitam de logística.
O PIB do setor de Transporte, Armazenagem e Correios cresceu 1,2% no primeiro trimestre de 2023, comparando ao mesmo período de 2022, um aumento de 5,1%. “A logística é o termômetro da economia, ela é a primeira a parar em crise e a primeira a retomar” - afirma Adelson Lopes – idealizador da Brasil LOG, Feira Internacional de Logística. Com base no cenário econômico e nas necessidades das empresas em acessar soluções, é que pela primeira vez, a Brasil LOG será realizada em anos consecutivos, chegando em sua 9ª edição nos dias 22, 23 e 24 de maio de 2024.
A Brasil LOG é referência para o segmento da logística, reconhecida como o principal ambiente de networking e realização de negócios do setor, promovendo a integração entre executivos, empresas de logística, especialistas e um público qualificado. Na edição de maio de 2023, gerou cerca de R$ 10 milhões de reais, mas para Lopes esse número não para por aí, por que muitos negócios são consolidados posteriormente, promovidos pelas soluções que a feira oferece aos cinco modais da logística: terrestre, aéreo, marítimo, ferroviário e hidroviário, ainda em expansão. “A Brasil LOG é uma vitrine para expor os serviços e as inovações do setor.” – afirma Lopes.
Porque estar na 9ª Brasil LOG? Acessar serviços e soluções, se atualizar sobre as demandas da logística em um único local otimiza tempo, considerando que o setor enfrenta inúmeros desafios, desde a infraestrutura, distâncias geográficas, à tecnologia e gestão. Para Lopes, o desafio é se manter competitivo em um mercado complexo e que aponta o crescimento do transporte rodoviário de cargas, em função do e-commerce. Entre as soluções para logística, a Brasil Log traz expositores com ferramentas que compilam dados, dão visibilidade aos processos, melhoram a produtividade e também iniciativas sustentáveis. Outro destaque são para as Rodadas de Negócios, palestras gratuitas com temas pertinentes às necessidades e atualidades do mercado; bem como teste drive de caminhões e empilhadeiras.
                                                          Estrutura e público
A 9ª edição da Brasil LOG será realizada em uma área de 53 mil m², em três pavilhões para mais de 60 expositores, no Parque Comendador Antônio Carbonari – Parque da Uva. A expectativa é de que passem pela feira representantes de empresas americanas, alemãs e chinesas, de todos os modais logísticos, de Condomínios Logísticos, Centros de Distribuições, Armazenagem, Estocagem, Consultorias e profissionais como Agentes de Carga, Armadores, Despachantes Aduaneiros, Importadores e Exportadores. Além das empresas e autônomos que atuam no segmento, a edição 2023 foi prestigiada também por representantes municipais, do Governo do Estado, Autarquias como ARTESP e orgãos federais como Infraero.
                                                               SERVIÇO
A entrada é gratuita, mas é necessário o credenciamento pelo site www.feiradelogistica.com Feira Internacional de Logística: 22 a 24 de maio de 2024 das 12h às 20h Local: Parque da Uva, em Jundiaí/SP.




Petrobras reduz preço do querosene de aviação em 2,1% após 4 altas (CNN 01/11)
A Petrobras reduziu o preço médio do querosene de aviação (QAV) vendido a distribuidoras em 2,1% a partir desta quarta-feira (1º), ante o valor praticado em outubro, interrompendo uma série de quatro altas mensais consecutivas, informou a companhia em nota.
A queda em novembro corresponde a R$ 0,09 por litro, em relação ao preço médio do mês anterior, adicionou a petroleira, que reajusta mensalmente os preços do QAV de acordo com fórmulas contratuais negociadas com as distribuidoras.
Apesar dos avanços recentes, há uma redução acumulada em 2023 no preço médio do produto vendido pela Petrobras de 14,5%, o equivalente a R$ 0,74 por litro, na comparação com o valor de dezembro de 2022, adicionou a companhia.
Na nota, a Petrobras reiterou que vende o QAV produzido em suas refinarias ou importado apenas para as distribuidoras que, por sua vez, transportam e comercializam os produtos para as empresas de transporte aéreo e outros consumidores finais nos aeroportos ou para os revendedores.
Distribuidoras e revendedores são os responsáveis pelas instalações nos aeroportos e pelos serviços de abastecimento, destacou a empresa, ressaltando que o mercado brasileiro é aberto à livre concorrência, e que não existem restrições legais, regulatórias ou logísticas para que outras empresas atuem como produtores ou importadores de QAV.





Logística dos rios ameaça faturamento do polo eletroeletrônico de Manaus (Brasil Norte Comunicação 23/10)

À medida que a região amazônica enfrenta uma das secas mais severas de sua história, repercussões críticas estão se desdobrando e afetando diretamente a produção de aparelhos de ar-condicionado. A situação ameaça a logística na Zona Franca de Manaus (ZFM), um centro crucial na fabricação de eletrodomésticos no Brasil.
A seca, agravada pelo fenômeno climático El Niño, resultou em uma drástica redução nos níveis de água dos rios, que são vias essenciais para o transporte de matérias-primas.
Grandes embarcações, impossibilitadas de chegar a Manaus devido à baixa profundidade dos rios, foram substituídas por balsas, que, embora possam navegar em águas rasas, transportam apenas uma fração da carga dos navios e têm uma velocidade significativamente menor.
Essa mudança implica em custos logísticos aumentados entre 25% e 50%.
Um alto executivo da indústria esclarece o dilema enfrentado: a demanda por ar-condicionado está em alta devido às ondas de calor, mas a capacidade de atender a essa demanda é incerta.
A falta de componentes essenciais tem dificultado a montagem de produtos, criando um ciclo de atrasos na produção e a possibilidade de escassez no mercado.
Os desafios atuais vão além dos pedidos não atendidos, afetando a capacidade de produção em sua essência.
Problemas logísticos estão levando a possíveis interrupções na produção, e discussões sobre férias coletivas estão surgindo, sinalizando dificuldades iminentes em vários setores da região.
Embora a indústria assegure que a disponibilidade de produtos para a Black Friday não está ameaçada, a normalidade das entregas de Natal depende da recuperação dos níveis dos rios, um fator incerto no momento.
A seca surpreendentemente severa de 2023 desafiou todas as previsões e estratégias preventivas, com especialistas alertando que as condições podem se estender até 2024.






DP World Brasil recebe novo serviço semanal que conecta a Europa e o Mediterrâneo à Costa Leste da América do Sul (Vitrine 28/09)

A DP World Brasil, operadora de um dos maiores e mais modernos terminais privados multipropósito do país, localizado na margem esquerda do Porto de Santos, anuncia a chegada de uma nova linha de serviços comerciais dos armadores Cosco Shipping Lines/OOCL e Ocean Network Express (ONE). O serviço, nomeado como East Coast South America-Europe 2 (ESE2) e Latin-East-Coast Europe Express (LUX), é mais uma opção de conexão entre a Europa e o Mediterrâneo à Costa Leste da América do Sul. Seguindo a rota: Roterdã, London Gateway, Hamburgo, Antuérpia, Lisboa, Algeciras, Santos, Paranaguá, Montevidéu, Buenos Aires, Itapoá, Paranaguá, Santos, Rio de Janeiro, Algeciras e Roterdã.
A viagem inaugural partiu de Montevidéu, no dia 20 de setembro, e atracou na DP World, em Santos, no dia 25 de setembro, com o navio Xin Nan Tong, da Cosco Shipping Lines, de bandeira chinesa. A embarcação tem capacidade para 4.200 TEUs (equivalente a 4.200 contêineres de 20 pés) e 263 metros de comprimento.
As escalas do novo serviço passarão pelos principais portos do norte da Europa, com paradas estratégicas em Lisboa e Algeciras, provendo a opção de conexão das cargas aos principais destinos no Mediterrâneo e Oriente Médio. Na América do Sul, além do Brasil, o LUX/ESE2 terá uma escala semanal no Terminal Río de La Plata, em Buenos Aires, que também é operado pela DP World.
“A DP World possui uma infraestrutura de ponta e uma equipe de especialistas em carga refrigerada, que está preparada para receber o novo serviço e atender às expectativas dos armadores e demais clientes envolvidos nas operações. Este será um grande diferencial para a exportação de cargas reefer, como proteína animal e frutas, pois vamos oferecer um serviço de transit time competitivo, com saídas semanais, para um dos principais mercados de exportação dos produtos brasileiros”, explica Rodrigo Gomes, gerente comercial sênior da DP World Brasil.
Este já é o segundo serviço que a DP World anuncia em 2023. Em maio deste ano, o terminal estreou uma nova linha de cabotagem regular, chamada Serviço Expresso Amazonas, que é operada pelos armadores Login e Aliança, com descidas sem paradas entre Manaus e Santos, rumo ao Sul do Brasil. A partir da DP World, o serviço escala os portos de Navegantes, Salvador, Suape, Pecém e Manaus. No sentido Sul, o trajeto expresso é realizado em nove dias, possibilitando que as cargas cheguem mais rápido ao destino. Este serviço também favorece o aumento da capacidade do transporte de cargas na cabotagem entre o Sul, Sudeste, Norte e Nordeste do país.




Silvio Costa Filho assume o comando do Ministério dos Portos e Aeroportos (Folha de S. Paulo 17/09)
O ministro de Portos e Aeroportos, Silvio Costa Filho, afirmou nesta segunda-feira (18) que o porto de Santos não será privatizado, mas ponderou que há espaço para parcerias com o setor privado.
“Nós não vamos privatizar o porto de Santos, como também nós vamos ampliar o diálogo com todo o setor produtivo de São Paulo”, disse o ministro em entrevista à CNN Brasil.
“Mesmo o porto público tem muita PPP que pode ser feita dentro. É nesse sentido que a gente quer trabalhar. O porto não precisa ser privatizado para a gente poder ter privatizações”, acrescentou, garantindo que envolverá lideranças políticas —incluindo o governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas, correligionário do ministro— em toda a negociação envolvendo investimentos da pasta no estado.
Na semana passada, Costa Filho afirmou que o porto conta com quase 3 bilhões de reais em caixa e que vai liderar a maior obra do Novo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), a construção do túnel Santos-Guarujá.
Lançado em agosto pelo governo federal com previsão de R$ 1,7 trilhão de investimentos, o Novo PAC terá o investimento privado como carro-chefe.
                                                                                               Governabilidade
Costa Filho assumiu o Ministério dos Portos e Aeroportos na semana passada em meio a um rearranjo ministerial promovido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para acomodar aliados e ampliar sua base de sustentação no Congresso.
Ainda que seu partido, assim como o PP, também contemplado pela minirreforma ministerial, não tenha formalmente embarcado na base do governo, Costa Filho garante que a legenda não só já entregou votos favoráveis ao governo em um patamar acima de 80% da bancada, como continuará aprovando matérias de interesse do Executivo.






Preço do diesel disparou com política anterior da Petrobras, diz estudo da CNT (Carta de Logística 15/09)
Por mais de seis anos, a Petrobras adotou a política de Preços de Paridade de Importação (PPI), que resultou em um aumento no valor do óleo diesel, aponta estudo realizado pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).
A paridade de importação de preços, que alinha os preços locais aos preços internacionais, foi adotada no governo Michel Temer (MDB), em 2016.
Desde a campanha, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prometeu uma mudança nessa referência para tentar manter o preço do combustível mais estável. A alteração foi concretizada em maio de 2023.
Segundo a pesquisa da CNT, desde que o Brasil adotou a política de PPI, os preços dos combustíveis ficaram intimamente ligados aos valores internacionais do petróleo, às taxas de câmbio estrangeiras e às condições econômicas e políticas globais, o que resultou em frequentes variações de preços por conta do cenário global.
A pesquisa aponta comparativos de preço e mostra que em 2020, o preço médio do diesel atingiu R$ 3,01/litro, o momento de maior impacto do isolamento social na atividade econômica.
Após esse período, o preço do combustível passou por uma trajetória de alta progressiva até atingir o pico de R$ 7,57/litro.
“Os preços dos combustíveis aumentaram significativamente no Brasil. Esse movimento foi acentuado pela desorganização das cadeias logísticas em função das restrições impostas pela pandemia de Covid-19 e também em função da guerra na Ucrânia”, afirma o documento.
A pesquisa mostra também que se considerarmos a semana de menor preço registrado na pandemia, que foi em maio de 2020 até junho de 2022, período de pouco mais de dois anos, o preço médio do diesel no Brasil aumentou 151,7%.
O documento indica que, após esse pico, o Brasil passa por uma trajetória de queda no preço do diesel. No entanto, não consegue retornar aos preços pré-pandemia.
De acordo com a CNT, os preços nacionais das fontes energéticas eram definidos levando em consideração o mercado internacional, convertendo para o real.
Somando a isso, os custos logísticos como o fretamento de navios, as taxas portuárias e o uso dos dutos internos para transporte. Dessa forma, o preço era ajustado periodicamente para acompanhar o comportamento dos derivados no mercado mundial.
Especialistas ouvidos pela CNN avaliam que a escolha da política de preços da Petrobrás depende dos objetivos econômicos e políticos do país.
Luciano Bravo, especialista em crédito internacional, entende que o uso do PPI traz vantagens em relação a transparência por se tratar de uma base objetiva para calcular os preços dos produtos, incluindo os combustíveis, com base nos preços internacionais e nos custos de importação.
Porém, o especialista acredita que o uso dessa política de precificação traga desvantagens em relação a volatilidade, já que os preços internacionais do petróleo flutuar significativamente ao longo do tempo.
“Isso pode resultar em variações frequentes nos preços dos produtos domésticos, o que pode impactar o orçamento dos consumidores e a estabilidade econômica”, complementa Bravo.
Por fim, a pesquisa mostra que a variação da moeda brasileira em relação ao dólar foi um dos principais fatores para o aumento dos preços, assim como os cenários políticos e econômicos globais, pois o valor do diesel na política de PPI estava atrelado a esses fatores.
“Seu valor estava substancialmente condicionado às cotações internacionais e, consequentemente, aos cenários políticos e econômicos globais. As variações da taxa de câmbio da moeda nacional também desempenharam um papel importante nesse processo”, afirma o documento.



Pesquisa revela perfil do transporte rodoviário urbano brasileiro (Carta de Logística 18/08)

O transporte rodoviário coletivo urbano é o principal responsável pelo deslocamento de passageiros no país. O setor conta com 1.577 empresas de ônibus urbanos em operação no Brasil e, aproximadamente, 107 mil ônibus.
Responsável pela geração de cerca de 315 mil empregos diretos, o setor enfrenta uma forte crise iniciada há quase três décadas e para retratar tanto a dimensão e a essencialidade do serviço prestado quanto os desafios que o atingem, a Confederação Nacional do Transporte lança, nesta terça-feira (08/08), a Pesquisa CNT Perfil Empresarial 2023 – Transporte Rodoviário Urbano de Passageiros.
O estudo inédito – que contou com o apoio da NTU (Associação Nacional das Empresas de Transportes Urbanos) – detalha de forma minuciosa as características das empresas em aspectos como frota, operação, mão de obra e investimentos. Apresenta ainda questões relacionadas às gestões ambientais e de riscos e formas de pagamento, bem como os impasses relacionados à política tarifária vigente. A visão das empresas e os principais desafios do setor fecham o escopo da sondagem. As informações foram fornecidas por empresários do segmento no primeiro semestre deste ano, com a realidade do transporte rodoviário urbano de passageiros de todas as regiões do Brasil.
Os resultados revelam que as empresas de grande porte, ou seja, com mais de cem funcionários, são maioria no segmento, e representam 82,2% do total. Também são majoritárias as que têm mais de 20 anos de atuação no mercado, 84,5%. A origem familiar do negócio é a motivação para operar no ramo para pouco mais da metade das empresas (59,8%).
Cerca de 2/3 da amostra (69,0%) atua exclusivamente no segmento rodoviário urbano de passageiros. Outros 19% dos entrevistados pela CNT atuam em outra modalidade e passaram, posteriormente, a trabalhar com o transporte rodoviário urbano de passageiros.
Entre os desafios apontados, a questão do custeio da atividade ganha destaque: 36,2% das empresas têm a tarifa paga pelo usuário como a principal remuneração, e 51,1% carecem de qualquer subsídio público. Chama atenção também a questão da violência, que tem afetado a maioria das operadoras do setor: 59,2% foram vítimas de assalto e 40,2% sofreram ato de depredação no último ano, sendo que uma em cada cinco (20,1%) tiveram veículos incendiados no período.
Os dados contribuem para dar visibilidade à importância do transporte rodoviário urbano de passageiros. Servem também para auxiliar os transportadores nas tomadas de decisão e nos seus planejamentos de longo prazo, bem como a definição de suas estratégias comerciais.
Para governos locais, a pesquisa ajuda a definir a priorização de investimentos no setor e, consequentemente, a alocação de esforços. Os dados apresentados também podem apoiar na elaboração de planos e políticas de mobilidade urbana que atendam as reais necessidades da sociedade e do setor, impactando-os de forma assertiva.

                                                                                 DESTAQUES DA PESQUISA
Tarifa
- 36,2% têm a tarifa paga pelo passageiro como a única forma de remuneração definida em contrato
- 51,1% não recebem qualquer subsídio do governo
- 56,9% consideram a dificuldade em reajustar o valor das tarifas como principal problema
- 18,5% dos passageiros recebem algum tipo de benefício tarifário

Pagamento
- 91,4% utilizam o sistema de bilhetagem eletrônica
- 75,8% implementaram pagamento com cartão de transporte como forma de substituição ao cobrador
- 90,2% têm pelo menos uma linha da frota operando sem a função de cobrador

Sustentabilidade
- 74,7% monitoram o uso de combustível
- 74,1% acompanham a geração de resíduos

Violência
- 59,2% foram vítimas de assalto no último ano
- 40,2% sofreram ato de depredação no último ano
- 20,1% tiveram veículos incendiados no último ano

Custos
- 74,1% consideram preço do diesel a principal dificuldade enfrentada
- 72,4% indicaram a manutenção do veículo como o fator que mais sobrecarrega os custos das empresas

Serviço de entrega expressa na China aumenta 15,5% nos primeiros sete meses do ano (Exame 17/08)
O Serviço de entrega na China processou um total acumulado de 87,37 bilhões de unidades enviadas e entregues nos primeiros sete meses deste ano, um aumento de 12,8% em relação ao mesmo período do ano passado. Entre eles, o volume acumulado de entrega expressa completou 70,3 bilhões de unidades, um aumento de 15,5% em relação ao ano anterior. As informações são da agência estatal postal da China divulgadas nesta quarta-feira, 16 de julho.
Nos primeiros sete meses, o volume acumulado das operações de entrega expressa realizada na mesma cidade completou 7,26 bilhões de unidades, uma queda de 0,7% em relação ao ano anterior; o volume acumulado de envios e entregas expressas para cidades distintas completou 61,43 bilhões de unidades, um aumento de 17% em relação ao ano anterior; o volume acumulado de entrega expressa para destinos internacionais completou 1,61 bilhão de unidades, um aumento de 57,2% em relação ao ano anterior.
A receita comercial do setor postal na China (excluindo a receita comercial vindo direta do Banco de Poupança Postal da China) totalizou US$ 121,2 bilhões, um aumento de 10,5% em relação ao ano anterior. Entre eles, a receita acumulada oriunda da entrega expressa completou US$ 92,7 bilhões, um aumento de 10,5% em relação ao ano anterior.
Em julho, o setor postal na China realizou envio e entrega de 13,16 bilhões de unidades, um aumento de 9,7% em relação ao mesmo período do ano anterior. Entre eles, o volume de negócios de entrega expressa completou 10,77 bilhões de unidades, um aumento de 11,7% em relação ao ano anterior.
Em julho, a receita comercial do setor postal da China atingiu aproximadamente US$ 17 bilhões, um aumento de 5,3% em relação ao ano anterior. Entre eles, a receita do negócio de entrega expressa atingiu aproximadamente 13 bilhões de yuans, um aumento de 6% em relação ao ano anterior.

Prêmio Abralog de Logística, inscrições abertas. Prepare o seu case (Vitrine 01/08)
A Associação Brasileira de Logística informa que estão abertas as inscrições ao XX Prêmio Abralog de Logística, o mais tradicional do segmento. A premiação tem como objetivo reconhecer soluções em projetos para as cadeias de suprimento, tanto por parte de empresas prestadoras de serviços logísticos, quanto companhias usuárias dessa atividade, incluindo professores, estudantes de nível técnico, superior e de pós-graduação. Enfim, todo o ambiente da logística.
As categorias que compõem o Prêmio são:
- Automação e Tecnologia da Informação
- Colaboração e Parcerias em Logística
- ESG e Mobilidade Urbana
- Estudante de Logística
- Logística 4.0, Tecnologias Disruptivas e E-business
- Multimodalidade
- Sistemas de Movimentação, Armazenagem e Embalagem

                                                                                  Vencedores
A galeria de vencedores contempla grandes empresas do País, como: CSN, BB-Mapfre, Ambev, Vale do Rio Doce, TV Globo, Coca-Cola, Golden Cargo, BHS Brasil, ALL, Correios, AGV Logística, Makro Atacadista, Veloce Logística, Rapidão Cometa, Braspress, ADS Micrologística, Grupo Netuno, CSI Cargo, VW – Audi, Parmalat, Procter & Gamble, Sodexho, Ministério da Educação, Philip Morris, Lojas Renner, Casas Bahia, Agfa Gevaert, Petrobras, Ipiranga Petroquímica, Pepsico do Brasil, Pão de Açúcar, Gillette, Accenture, Submarino, Duratex, 3M do Brasil, Administração dos Portos de Paranaguá, entre outras.
 Os trabalhos deverão ser enviados em arquivo na extensão pdf. O prazo para envio de inscrições é o dia 31 de outubro de 2023.
Veja todos os detalhes em  regulamento.




Transmaion recapa 2.000 pneus por ano (Vitrine 28/07)
Todos os 250 caminhões da Transmaion, tradicional transportadora com mais de 30 anos de atuação no segmento, são equipados com pneus da Continental. A parceria com a fornecedora de pneus de tecnologia alemã inclui, ainda, o emprego das bandas de rodagem ContiTread no processo de recapagem dos pneus.
“Desde que optamos por trabalhar com as bandas originais da Continental há cerca de dois anos temos realizado um monitoramento constante do desempenho destes pneus e constatamos a entrega de uma quilometragem muito maior na comparação com as outras bandas de recapagem”, comenta Lucas Maion, proprietário da Transmaion.
Fundada na cidade de Pratânia, no interior paulista, a Transmaion atua no transporte rodoviário de caçamba e graneleiro, carregando produtos como grãos, laranja, açúcar e fertilizantes.  Com um consumo anual de 3.600 pneus, nada mais natural do que a empresa estabelecer uma estratégia para o processo de recapagem na busca pela redução de seus custos operacionais.
Hoje, a empresa realiza a recapagem de 2.000 pneus/ano utilizando as bandas de rodagem ContiTread nesse processo. Uma análise técnica interna promovida pela Transmaion identificou não só a entrega de uma maior quilometragem em comparação com bandas para recapagem de outras marcas, como também constatou uma performance geral dos pneus recapados muito próxima a dos pneus originais.
Para Lucas Maion, outro importante fator para essa decisão foi a garantia da carcaça oferecida pela Continental para quem opta pelo uso das bandas de rodagem ContiTread. “Essa iniciativa comprova o comprometimento do fabricante com a qualidade do seu pneu e se soma a outras vantagens que registramos em nossa análise técnica”. A Transmaion, que atua nos estados de São Paulo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Paraná, tem no HTR1 da Continental o principal pneu da sua frota.
O HTR1 tem entre suas características o rodar silencioso e uma menor resistência ao rolamento que proporciona maior economia de combustível. Seu sulco com desenho piramidal patenteado evita a retenção de pedras e sua carcaça foi projetada para entregar um maior aproveitamento quando da recapagem.
“Nosso objetivo é prover ao nosso cliente final o menor custo total de direção prolongando a utilização do pneu e protegendo, assim, o investimento realizado em sua aquisição. Um aspecto fundamental da recapagem da Continental é também o compromisso com a sustentabilidade, uma vez que um pneu recapado utiliza menos insumos que a produção de um produto novo” destaca Thais Oliveira, diretora de vendas de pneus de carga da Continental.




Terminal de Contêineres de Paranaguá registra recorde duplo em junho (Vitrine 25/07)
No primeiro semestre de 2023, a TCP (empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá) registrou um volume de 8.479 contêineres de carne bovina no terminal, ou seja, um crescimento de 87% em comparação ao mesmo período do ano passado (4.531 contêineres). Os números acompanham o crescimento geral de carne congelada na empresa, que desencadeou dois recordes: um de volume reefer (contêineres com controle de temperatura e em grande parte usados para o transporte da proteína animal) e outro de movimentos por hora no cais.
No mês do recorde duplo, foram movimentados 9.529 contêineres de carne, sendo 68% de frango e 14% de boi, com destino principal para a China. O gerente comercial, de logística e atendimento ao cliente da TCP, Giovanni Guidolim, explica que “contamos com a maior área reefer do Brasil e o nosso objetivo é seguir mantendo esta excelência no setor, ampliando cada vez mais os nossos serviços”.
O sistema de dados Dataliner informa que o Mato Grosso é o estado líder em produção de carne bovina para exportação no terminal. “Diversos estados estão utilizando nossas vantagens logísticas, principalmente a flexibilidade, para receber antecipadamente o embarque de volumes reefer para exportação. O Mato Grosso é campeão neste aproveitamento”, explica Guidolim.
Outro diferencial da TCP é o modal ferroviário, único no sul do país com acesso direto a zona alfandegada. Segundo o gerente comercial, “a ferrovia é responsável por transportar um em cada cinco contêineres de exportação até o terminal e atende a diversas demandas, entre elas 25% da exportação de carne congelada”.
                                                                                           Recordes TCP em 2023
Em junho, a TCP registrou o quarto mês de recordes em 2023. Desta vez, a empresa movimentou 10.750 contêineres reefer, superando a marca de 10.682 movimentos alcançada em março deste ano. O segundo recorde foi em relação a operação mensal em navios. A TCP alcançou a média de 106,6 MPH (movimentos por hora), superando o último recorde registrado em outubro do ano passado de 106,1 MPH.
O gerente de operações, Felipe de França, explica que “a sequência dos recordes de movimentação reflete o alto nível de demanda de mercado e de produção do terminal. Investimos de forma contínua nos processos, sempre aliando as estratégias aos cenários atuais. Os resultados refletem o comprometimento do time com a excelência nos serviços”.
Entre os projetos mais recentes de investimentos está a ampliação e modernização dos gates (portões de acesso) e o aumento das tomadas reefer de 3.572 para 5.126 até o final de 2023. O terminal também implantou recentemente uma subestação para sustentar o consumo de energia para o aumento da área para contêineres com controle de temperatura. Além disso, até o final do ano, 11 novos guindastes do tipo RTG (Rubber Tyred Gantry Crane) serão entregues para atender não só a demanda atual, assim como o crescimento orgânico esperado.
Os outros recordes alcançados em 2023 foram nos meses de fevereiro, março e maio. As conquistas foram nos setores de movimentação reefer, passagem mensal e passagem diária de contêineres no gate.




Nova lei permite que caminhoneiros recebam frete pelo PIX (Carta de Logística 27/06)
A sanção presidencial da Medida Provisória 1153, publicada sem vetos em 19 de junho, é uma vitória de mais de 900 mil caminhoneiros autônomos e das empresas que transportam 60% das cargas no país. A nova lei 14.599/23 traz diversos benefícios a essa categoria, como a possibilidade de que os motoristas recebam o pagamento do frete via PIX.
De acordo com o artigo 22-B da nova lei, as instituições de pagamentos eletrônicos de frete (IPEF) devem disponibilizar modelo de pagamentos instantâneos do Banco Central. Ou seja, a conta oferecida pela IPEF aos autônomos deverá, obrigatoriamente, ter a opção de transferência pelo PIX, permitindo que o caminhoneiro movimente livremente seu dinheiro.
A Lei 14.599 também devolve aos motoristas e transportadores um direito que lhes foi retirado há 15 anos: a exclusividade e a liberdade de escolher a seguradora da carga.
Antes da MP 1153, o seguro era contratado pelos embarcadores, com o valor descontado do frete, mas muitas vezes as apólices protegiam apenas cargas e deixavam caminhoneiros e transportadores sem cobertura.
Essa prática foi considerada abusiva até mesmo pela Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), um órgão da ONU. Agora, os profissionais da estrada voltam a ter autonomia na escolha dos seguros de carga.
A nova lei também proíbe os embarcadores e transportadores de descontar o valor do seguro do frete dos motoristas autônomos.
“Todas essas conquistas contribuem muito para profissionalização deste mercado no Brasil, protegendo os caminhoneiros e incentivando a formalização das operações de transporte rodoviário de cargas”, diz Felipe Dick, CEO da Roadcard, maior Instituição de Pagamento Eletrônico de Fretes (IPEF) do Brasil.
Segundo ele, “a sanção sem vetos da nova lei foi resultado do trabalho incessante de dezenas de organizações, junto aos poderes Legislativo e Executivo, em defesa do setor de transporte rodoviário de cargas”.
Anna Miranda, diretora de Inovação, Produtos e Marketing da Roadcard, salienta que a empresa já estava preparada para este movimento. “Antes mesmo da lei, nós já oferecíamos a opção de pagamento via PIX, porque sempre valorizamos a liberdade de escolha do motorista, seja com depósitos em sua própria conta corrente ou no Pambank, a conta digital do Pamcard”, completa a executiva.




Subsidiária da MSC prevê investir R$ 7 bi em Santos e Navegantes (Revista OE 26/06)
Uma das maiores operadoras de terminais de contêineres do mundo, a Terminal Investment Limited (TIL), pertencente ao grupo suíço de navegação Mediterranean Shipping Company (MSC), anunciou que pretende investir R$ 7 bilhões nos portos de Santos (SP) e Navegantes (SC) nos próximos cinco anos.
No pacote de aportes já definidos, R$ 4 bilhões deverão ser aplicados no terminal de contêineres BTP no Porto de Santos, que a empresa opera em sociedade com a APM Terminals, do grupo Maersk. Vale observar que parte dos recursos ainda depende de aval do governo federal à renovação antecipada do arrendamento, que venceria em 2027, por mais 20 anos. Autoridades já foram consultadas nesse sentido, mas ainda não há definição.
Para o Porto de Navegantes, a TIL planeja investir aproximadamente R$ 3 bilhões em seu terminal de contêineres. O montante será empregado para reconstrução do cais, aprofundamento do calado e em obras complementares.
A depender das possibilidades de negócios que surgirem nos próximos anos, entre parcerias, aquisições e novas concessões, a empresa projeta investir até R$ 17 bilhões no País. “Estamos crescendo no Brasil e buscando oportunidades para expandir nossa capacidade”, afirmou ao Valor Ammar Kanaan, presidente TIL. “O Brasil tem uma demanda latente. Se a capacidade portuária no País dobrasse, a demanda acompanharia. Então estamos comprometidos em fazer investimentos à medida que as oportunidades surgirem”, concluiu.
Fundada em 2000, a TIL opera 74 terminais de contêineres em todo o mundo, incluindo portos na Europa, América do Norte, América do Sul, África e Ásia. Seus terminais são fundamentais para a operação da MSC – sua controladora e principal cliente – e de outras companhias de navegação que utilizam essas instalações para carregar, descarregar e transferir contêineres entre navios e modos de transporte terrestre.
No Brasil, além dos terminais em Santos e Navegantes, o grupo opera um terminal no Rio de Janeiro e controla a empresa de cabotagem Log-in, que possui terminal no porto de Vila Velha (ES).




SETCESP cria campanha alertando sobre a revalidação contínua da ANTT (Vitrine 23/06)
A Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) recebeu, recentemente, através de ligações, e-mails e mensagens via whatsApp, denúncias de transportadores, cooperativas e associações do transporte rodoviário de cargas a respeito de cobranças exorbitantes e suspeitas, referente à revalidação ordinária da ANTT.
Os fraudadores entram em contato com o proprietário da inscrição na ANTT e informam que o pagamento referente à revalidação ordinária, ou seja, aquela que precisa ser paga regularmente a cada vencimento, precisa ser regularizada com urgência e fornecem dados falsos para pagamento. Com isso, o transportador é enganado pois acredita que fez a revalidação, quando na verdade não e pode até mesmo ter o registro de transportador suspenso.
Buscando informar e alertar a todos sobre esse tipo de golpe, o Sindicato das Empresas de Transportes de Carga de São Paulo e Região (SETCESP), decidiu criar a campanha “Não caia em golpe! Revalidação Ordinária da ANTT somente pelos meios oficiais”, que pretende diminuir a quantidade de golpes que a categoria vêm sofrendo. A Organização acredita que, os golpistas já conseguiram enganar milhares de profissionais.
O presidente do conselho superior e de administração do SETECESP, Adriano Depentor, essa ação é muito importante, pois conscientiza os caminhoneiros sobre a prática: “Além de ajudar as pessoas a não caírem nesse tipo golpe, ainda pode evitar danos financeiros e previne o vazamento de dados pessoais dos transportadores”, explica.
Adriano ressalta ainda, que é necessário que todos fiquem atentos sobre qualquer abordagem suspeita, pois ao fazer o processo em um órgão falso ou não autorizado, a revalidação não é repassada para ANTT, e a empresa pode estar sujeita a ter seu registro cassado ou suspenso, o que consequentemente a impedirá de emitir CT-e, e até a efetiva regularização.
Um dos principais objetivos da campanha, é alertar todos os transportadores que há somente dois caminhos corretos e seguros para se fazer a revalidação. Um deles é pelo RNTRC Digital, que deve ser acessado pelo Portal do Governo (www.gov.br), e o outro é por meio de um posto de atendimento credenciado pela Agência.
O SETCESP é um posto autorizado da ANTT para a consulta de pendências e a Revalidação Ordinária do RNTRC e reforça que a ANTT não faz contato de forma ativa por telefone ou via WhatsApp, com as empresas de transporte, e nem solicita informações sigilosas ou emite boletos sem autorização. Lembrando as ETCs (Empresas de Transportes de Cargas) tem o prazo de até 26 de fevereiro de 2024 para regularizar sua situação.




Terminal Portuário de Vila Velha recebe visita do Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (Vitrine 21/06)
A Log-In Logística Intermodal, grupo de soluções logísticas, movimentação portuária e navegação de Cabotagem e Mercosul, recebeu, na última segunda-feira (19/06), o Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Fabrizio Pierdomenico, no Terminal Portuário de Vila Velha (TVV), localizado no Porto Organizado de Vitória, no Espírito Santo.
O objetivo do encontro foi apresentar os negócios do grupo Log-In, como player relevante na Cabotagem e operador de transporte multimodal, bem como o plano de negócios do terminal portuário multipropósito capixaba, com ênfase no projeto em andamento de modernização do TVV, com previsão para finalização ainda em 2023.
Na agenda, foi possível ainda dividir com o Secretário as expectativas de melhoria na infraestrutura para os usuários do porto a partir da chegada da nova autoridade portuária local Vports, agora desestatizada.
Para a viabilização do plano de modernização, já foram investidos aproximadamente R$147 milhões em equipamentos, automação e aumento de capacidade do terminal. Entre os destaques estão a aquisição de novos equipamentos, como os reach stackers, a fim de assegurar maior confiabilidade e segurança nas operações do terminal.
Além disso, o grupo Log-In adquiriu 14 carretas pranchas, resultando em um aumento de 67% na capacidade de transporte de cargas no ciclo interno do terminal, tendo em vista que antes as carretas comportavam 35 toneladas de capacidade e, agora, este número saltou para 65 toneladas.
Outro importante passo para o ganho de produtividade do TVV foi a aquisição de 2 guindastes Mobile Harbour Crane (MHC's) com capacidade individual de 154 toneladas que permitem a operação de cargas de até 300 toneladas simultaneamente, gerando ainda mais capacidade operacional para os mais diversos tipos de cargas, principalmente as de grande porte, com mais eficiência e segurança operacional pelo terminal.
De acordo com o Diretor de Terminais da Log-In, Gustavo Paixão, os equipamentos possuem uma tecnologia pioneira no Brasil, que viabiliza o controle de dois guindastes através de um único operador, conferindo maior segurança à operação. “Contar com estes guindastes de altíssimo padrão de movimentação de cargas coloca o TVV em uma posição ainda mais estratégica entre os principais players da indústria logística, não apenas do Espírito Santo, mas em todo o país”, afirma.
A estratégia de modernização e aumento de capacidade do terminal inclui ainda, a aplicação de tecnologias nos portões de acessos, que culminou em ganhos no trânsito destes veículos, propiciando maior agilidade na entrada e saída dos transportes.
Paixão salienta que outro fator inovador e pioneiro dentre as empresas do setor na América Latina, está relacionado à aplicação de novas soluções nos guindastes Ship To Shore Crane (STS) ou portainers da companhia, utilizados para descarga ou embarque de contêineres nos navios por meio de operações remotas.
“O TVV seguirá investindo em automação. Nesta modalidade, o operador sai da cabine em cima do guindaste e passa a operar o equipamento de uma sala, que contará com diversas telas, permitindo o controle total da operação, com melhores condições ergonômicas, de segurança e desempenho”, comenta o executivo.
Segundo o Diretor Presidente do Grupo Log-In, Marcio Arany, que também esteve presente no encontro, diante do sólido plano de expansão do TVV, a presença do Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, Fabrizio Pierdomenico reforça o compromisso do Grupo Log-In em corroborar para o desenvolvimento não apenas do setor portuário capixaba, mas também do transporte de carga por via marítima, conectando a Cabotagem com os outros modais de transporte, por meio de planos consistentes e inovadores.
“Foi uma excelente oportunidade para apresentar ao alto escalão do Governo Federal tudo que a Log-In vem desenvolvendo para potencializar os nossos serviços de logística integrada, com foco sempre no cliente. Da mesma forma, esperamos do atual Governo o compromisso em promover mudanças que possam contribuir para alavancar o crescimento dos setores portuário e da cabotagem”, conta Arany.
Na ocasião, Pierdomenico visitou o navio Log-In Pantanal junto com outros diretores da companhia e conheceu de perto a estrutura do navio, sua tripulação brasileira e a operação de contêineres, tendo maior visibilidade do tamanho da operação e da importância da atividade marítima para a logística brasileira.
                                                                               Vports: principais mudanças e expectativas
O evento também abriu espaço para a discussão das principais mudanças com a troca de administração do Porto de Vitória, antes controlada pela Codesa (Companhia Docas do Espírito Santo), que após desestatização, passou a ser chamada de Vports. “Este é um movimento inédito no Brasil, tendo em vista tratar-se da única autoridade portuária privada no país. Diante disso, a Log-In tem acompanhado de perto os principais movimentos após a desestatização, e pretende ter papel de mais protagonismo nos estudos conduzidos pela Vports, para enfrentar os gargalos do Porto Organizado e atrair novas cargas”, aponta Paixão.
Entre os pontos debatidos durante a ocasião, está a expectativa da divulgação de um plano de manutenção do canal de acesso ao porto.  “Atualmente, existe a obrigatoriedade da manutenção da profundidade do canal, bem como dos berços de atracação dos navios. No entanto, a aplicação de um cronograma de batimetrias, ou seja, a medição da profundidade do canal de acesso, seria uma prática benéfica para acompanhar de perto a situação do mesmo ”, pontua Paixão.
Outro fator que tem chamado a atenção da Log-In com relação às mudanças, estão associadas à necessidade de melhorias do acesso terrestre ao Porto Organizado de Vitória, que inclui os munícipios de Vitória e Vila Velha. Neste sentido, o executivo enfatiza o papel da Vports para o controle mais assertivo do acesso rodoviário, bem como estudos voltados para criar alternativas de acesso rodoviário ao Complexo, e no desenvolvimento de estudos que possam viabilizar o modal ferroviário no Porto, e que possa alcançar o TVV, em Vila Velha.
Segundo Paixão, o Terminal Portuário de Vila Velha espera ainda maior participação nos estudos voltados ao modal ferroviário.  Desta forma, em conjunto com a Vports, o TVV contribuiria para iniciativas que potencializam o transporte de cargas a granel, bem como outros perfis de carga, como contêineres, além de possibilitar a conexão do ramal ferroviário existente no terminal.
“A Log-In espera, juntamente com a Vports, auxiliar com ideias inovadoras que promovam ganhos na infraestrutura do porto organizado, proporcionem maior competitividade e viabilize novos negócios para o Espírito Santo”, finaliza Paixão.






Log-In Logística Intermodal divulga Relatório de Sustentabilidade com resultados expressivos (Vitrine 14/06)

A Log-In Logística Intermodal, grupo de soluções logísticas, movimentação portuária e navegação de Cabotagem e Mercosul, além de operações na ponta rodoviária, acaba de lançar a terceira edição de seu Relatório de Sustentabilidade, baseado nas diretrizes da GRI (Global Reporting Initiative), do SASB (Standards Sustainability Accounting Standards Board) para o setor de transporte e da TCFD (Task Force on Climate-related Financial Disclosures), informando sobre as mudanças climáticas e o modo com que estes são gerenciados.
A divulgação do documento tem como objetivo ampliar a transparência das iniciativas implementadas pelas empresas do Grupo Log-In, com indicadores quantitativos e qualitativos do ano de 2022, a partir de uma nova matriz de materialidade, com base nas melhores práticas de ESG (Enviromental, Social and Governance).
A nova matriz da Log-In visa acomodar perspectivas de riscos financeiros e de impacto socioambiental da organização e conta com nove temas de alta materialidade, divididos em outros 16 tópicos. Entre estes temas estão: Mudanças climáticas; Gestão de água e efluentes; Qualidade do serviço; Ética, integridade, governança e compliance; Atração, desenvolvimento e retenção de colaboradores; Direitos humanos e relações trabalhistas; Saúde, bem-estar e segurança; Segurança operacional e gestão de emergências e Relacionamento com comunidades do entorno. Com isto, o grupo atinge integralmente seus três pilares de atuação prioritários: Gente, Cadeia de Valor e Meio Ambiente.
De acordo com o CFO e Diretor de Relações com Investidores da Log-In Logística Intermodal, Pascoal Gomes, a companhia tem sido pioneira em ações relacionadas às práticas ESG, considerando todos os pilares desta agenda. “Nos últimos anos, implementamos inúmeras iniciativas em todos os nossos segmentos de negócios a fim de ampliar nossa agenda e oferecer benefícios sustentáveis ao setor e à sociedade como um todo. A partir disso, os efeitos desse empenho ficaram evidentes não apenas neste relatório, mas também na evolução dos resultados operacionais e financeiros da companhia”, relata o executivo.





Esta página é parte integrante do www.guiadelogistica.com.br ou www.guialog.com.br .